17 de Novembro, Dia Mundial do Não Fumador.

 

Amanhã, dia 17 de Novembro, é o dia Mundial do Não Fumador.  O hábito de fumar (tabagismo) – acto voluntário de inalar o fumo da queima do tabaco – independentemente da qualidade, quantidade ou frequência, é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável em todo o mundo. A OMS estima que um terço da população mundial adulta, isto é, 1 bilhão e 200 milhões de pessoas (entre as quais 200 milhões de mulheres), sejam fumadores.

O controlo global do tabagismo inclui a prevenção da iniciação ao hábito de fumar, a eliminação das fontes de exposição involuntária ao fumo do tabaco e o apoio/promoção aos programas de abandono do tabaco.

Tabagismo/Saúde

·         O tabaco é um dos maiores inimigos da sua saúde.

·         A saúde é um estado de bem estar e não apenas a ausência de doença ou incapacidade.

·         O estado de saúde é determinado por quatro factores: a biologia humana, o ambiente, o sistema de saúde e o estilo de vida – comportamento de saúde.

·         O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis: não utilizar drogas (lícitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, conduzir com prudência, controlar o stress, praticar exercício físico.

·         O impacto negativo do tabaco está bem estabelecido, na medida em que afecta directamente a qualidade e a quantidade de vida. A cardiopatia isquémica e o cancro do pulmão são os principais contribuintes para o excesso de mortalidade relacionada com o tabaco. Todavia, existe uma forte relação dose-resposta entre o consumo do tabaco e o excesso da mortalidade, medida pela idade de início do hábito de fumar, o número de cigarros consumidos, o número de anos de tabagismo e a profundidade da inalação.

·         Os primeiros cigarros fumados têm consequências negativas para a saúde, bastam sete segundos para a nicotina atingir o cérebro, estimulando os neurónios. As complicações incluem: a ocorrência de vertigens, olhos a chorar, as mãos a tremer, os músculos tensos, enjoo, alteração no gosto e no cheiro, aumento da pressão sanguínea.

·         Investigações comprovam que fumar, mesmo que seja só um cigarro, pode trazer graves consequências para a “saúde do seu coração”, podendo, inclusivamente, resultar numa diminuição da capacidade respiratória. Fumar, mesmo que seja apenas um cigarro, pode provocar uma mudança na função principal de bombeamento do coração.

·         Fumar prejudica a ventilação pulmonar, o transporte de O2 no sangue, prejudica o rendimento físico é incompatível com o desporto de alta competição.

·         As vantagens de não fumar incluem: bem-estar, respirar sem problemas e sem tosse, hálito agradável, dentes e dedos sem manchas amarelas, cheirar a limpo.

·         Fumar é um dos principais comportamentos perniciosos para a saúde.

Iniciação

As pessoas começam a fumar principalmente influenciadas pela publicidade maciça do cigarro nos meios de comunicação de massa. A publicidade é dirigida aos jovens e passa a falsa imagem de que fumar está associado ao sucesso, independência e liberdade.

 A publicidade sabe aliar as demandas sociais e as fantasias dos diferentes grupos (adolescentes, mulheres, faixas economicamente mais pobres etc.) ao uso do cigarro, fazendo crer que, ao fumar, esses desejos serão realizados, aumentando o consumo do tabaco entre as pessoas mais facilmente influenciáveis. A publicidade directa é feita por anúncios atraentes e bem produzidos; já a publicidade indirecta, é feita através dos ídolos e modelos de comportamento em geral.

Pais, professores, ídolos e amigos também exercem uma grande influência.

Noventa por cento dos fumantes iniciaram seu consumo e tornam-se dependentes antes dos 19 anos de idade, faixa em que o indivíduo ainda se encontra na fase de construção de sua personalidade. O número constante, ou mesmo crescente, de adesões ao tabagismo contribui para que a indústria do cigarro seja altamente lucrativa, investindo constantemente em publicidade, a fim de atrair mais pessoas.

Sendo evidentes os efeitos do tabagismo na saúde pessoas há que continuam a fumar. Em parte poderá ser devido a falta de informação, mas a justificação principal está no facto da nicotina ter características aditivas, a que corresponde uma perda de controlo no consumo de tabaco e dificuldade na cessação de fumar.

Para desistir de fumar será necessário romper o “triângulo do fumador”, isto é, controlar os 3 factores principais envolvidos no tabagismo: a dependência psicológica e fisiológica da nicotina; as influências psicossociais (lidar com o stress e a ansiedade, por exemplo); e o hábito.

A cessação do tabagismo exige a motivação e a identificação de uma oportunidade adequada.

Prevenção

A educação tem um papel importante na prevenção pois o ideal é não começar a fumar. A promoção da saúde deve começar cedo e na escola e nos locais de trabalho. Como é pouco frequente o hábito de fumar começar depois dos 18 anos, a prevenção primária durante a infância e a adolescência será essencial para reduzir o número de fumadores. Os jovens treinados para resistirem à pressão social, os que sabem das dificuldades em deixar de fumar e os que conhecem as consequências do tabagismo para a saúde, têm maior probabilidade de não começarem a fumar.

 

A prevenção contra o tabagismo inclui a prevenção da iniciação ao hábito de fumar, a eliminação das fontes de exposição involuntária ao fumo do tabaco, e o apoio/promoção aos programas de abandono do tabaco. Isto implica que, para além do médico, têm responsabilidades nesta área as forças culturais, sociais e políticas.

O fumo é responsável por 30% das mortes por cancro;

90% das mortes por cancro no pulmão;

97% do cancro da laringe;

25% das mortes por doença do coração;

85% das mortes por bronquite e enfisema;

25% das mortes por derrame cerebral e por

50% dos casos de cancro de pele.

Cancro

O fumo é responsável por 30% das mortes por cancro e 90% das mortes por cancro de pulmão. Os outros tipos de cancro relacionados com o uso do cigarro são: cancro de boca, laringe, faringe, esófago, pâncreas, rim, bexiga e colo de útero.

O fumo está associado a um aumento de risco de uma diversidade de cancros. Dos quase 5 000 componentes do tabaco, mais de 50 demonstraram ser carcinogénicos. Estima-se que 30% de todos os cancros, em países desenvolvidos, estão relacionados com o tabaco:

·         Cancro do pulmão;

·         Cancro da cavidade oral (lábios, boca, língua), laringe e faringe;

·         Cancro do esófago;

·         Cancro do pâncreas;

·         Cancro da bexiga e rins;

·         Cancro do colo do útero;

·         Doenças Cardiovasculares;

·         25% das mortes causadas pelo uso do cigarro;

·         Cardiopatia isquémica;

·         Doença vascular periférica (arteriosclerose);

·         Doença cerebrovascular (AVC);

·         Doenças relacionadas com hormonas (menopausa precoce, osteoporose);

·         Doenças respiratórias (bronquite crónica, enfisema e asma);

·         Doenças gastrointestinais (doença de refluxo gastro-esofágico, úlcera péptica).

Durante a gravidez

O tabagismo pode atrasar a concepção, e durante a gravidez pode afectar de modo negativo o feto. Os recém-nascidos das mães fumadoras pesam menos que os das não fumadoras. O tabagismo materno durante a gravidez pode afectar a médio prazo o desenvolvimento físico e intelectual da criança.

Dependência e desabituação tabágica

O tabaco é uma droga porque provoca dependência. A substância que provoca a dependência é a nicotina.

O vício de fumar tem-se revelado impossível de combater porque se trata de uma substância com características estimulantes, semelhantes às da cocaína, dando dependência física e psíquica.

Não é fácil deixar de fumar. A nicotina provoca dependência por meio de processos semelhantes aos da cocaína, álcool e heroína, tem características que preenchem os critérios das drogas aditivas: uso compulsivo, efeitos psicoactivos e comportamento reforçado pela droga, tolerância e dependência física, manifestada por uma síndroma de abstinência.

Os sintomas de privação incluem entre outros a necessidade imperiosa de fumar, irritabilidade, agressividade, ansiedade, dificuldade de concentração, dores de cabeça, aumento do apetite, tonturas.

A cessação de fumar tem benefícios de ordem física (desaparecimento do cheiro a tabaco, aumento do paladar, diminuição do risco e doenças), psicológicos e económicos.

A desabituação da nicotina não é fácil e necessita muitas vezes, intervenção e acompanhamento por profissionais de saúde especializados – médicos, enfermeiros, psicólogos, assim como terapêutica comportamental e/ou farmacológica.

Os adolescentes que fumam podem deixar de fumar com facilidade e basta parar de fumar para o conseguir pois não estão verdadeiramente de pendentes do tabaco.

A  “Luta Antitabágica” constitui importante “problema” de Saúde Pública. As Consultas de Desabituação Tabágica devem ser aconselhadas como medida preventiva para deixar de fumar, há que implementar mais acções de informação e de educação da população em geral, alertando-se para o perigo do tabaco, através de conferências, de recomendações escritas em brochuras, em folhetos, em artigos, quer nos jornais públicos diários, quer nos ligados à Saúde, assim como em anúncios na televisão e na rádio. Outras acções preventivas devem consistir na política de impostos sobre o tabaco, no aumento do seu preço e nas proibições: da venda a menores; da sua publicidade; de fumar em locais públicos (unidades de saúde, escolas, recintos fechados, etc)

Aos pais deve ser dirigida uma mensagem especial:

·         Não permitam, que se fume, em suas casas;

·         Não fumem (se os pais forem fumadores) em presença dos seus filhos, qualquer que seja o local, onde se encontrem;

·         Não permitam, que as crianças mexam em objectos associados com o tabaco, como isqueiros, cinzeiros, caixas de tabaco;

·         Avisem os seus filhos sobre os malefícios do tabaco.

Aos jovens:

·         Aprende a resistir às pressões para fumar;

·         Recusar uma oferta é um direito;

·         Fumar tem um impacto negativo (directo e indirecto) no ambiente;

·         Não fumar é que está na moda;

·         São várias as alternativas ao tabaco: conversar, ouvir música, ler, passear, namorar…

A luta contra o tabaco atinge todo o País.

Se Portugal conseguir alertar a sua juventude, milhares de contos deixarão de ser consumidos anualmente no tratamento de doenças provocadas pelo fumo do cigarro. O jovem dum modo geral começa a fumar por um acto de rebeldia ou afirmação. Hoje, com o desenvolvimento de práticas desportivas, seria mais saudável que a juventude procurasse sua afirmação através do desporto ou de manifestação artísticas, que fazem bem ao organismo, à mente e ao espírito.

Fumadores passivos

As pessoas que aspiram involuntariamente o fumo libertado pelos cigarros dos fumadores são designados por fumadores passivos.

Define-se tabagismo passivo como a inalação do fumo de derivados do tabaco (cigarro, charuto, cigarrilhas, cachimbo) por não fumadores, que convivem com fumadores em ambientes fechados.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) o tabagismo passivo, a 3ª maior causa de morte evitável no mundo, subsequente ao tabagismo activo e ao consumo excessivo de álcool.

As pessoas que estão próximas de fumadores, especialmente em ambientes fechados, inalam mais de 400 substâncias que podem prejudicar a saúde. Os não fumadores expostos ao fumo do cigarro absorvem nicotina, monóxido de carbono e outras substâncias da mesma forma que os fumadores, embora em menor quantidade. A quantidade de tóxicos absorvidos depende da extensão e da intensidade da exposição, além da qualidade da ventilação do ambiente onde se encontra a pessoa.

A fumaça dos derivados do tabaco em ambientes fechados é denominada de poluição tabágica ambiental (PTA).Tendo em vista que as pessoas passam 80% de seu tempo em locais fechados tais como trabalho, residência, locais de lazer e hospitais, o cigarro é considerado, pela Organização Mundial de Saúde, como o maior agente de poluição doméstica ambiental.

A permanência em um ambiente poluído faz com que se absorvam quantidades de substâncias tais como a nicotina em concentrações semelhantes às de quem fuma.

O ar poluído contém, em média, três vezes mais nicotina, três vezes mais monóxido de carbono, e até cinquenta vezes mais substâncias cancerígenas do que o fumo que entra pela boca do fumado e depois de passar pelo filtro do cigarro. Por tudo isto se deve evitar fumar em locais fechados.

Os fumadores passivos sofrem os efeitos imediatos da poluição tabágica ambiental, tais como irritação nos olhos, manifestações nasais, tosse, cefaleia, aumento de seus problemas alérgicos, principalmente das vias respiratórias, e aumento de problemas cardíacos, principalmente elevação da pressão arterial e angina (dor no peito). Outros efeitos a médio e longo prazo são a redução da capacidade funcional respiratória (o quanto o pulmão é capaz de exercer a sua função), aumento do risco de ter arteriosclerose e aumento do número de infecções respiratórias em crianças. Além disso, os fumantes passivos morrem duas vezes mais por cancro de pulmão do que as pessoas não submetidas à poluição tabágica ambiental.

Os principais grupos de risco dos fumadores passivos são as grávidas, as crianças e os asmáticos.

As crianças que convivem com pais fumadores têm maiores riscos de infecções respiratórias, bronquiolites, asma, otite e infecções da garganta.

Fumar passivamente pode provocar as mesmas doenças que fumar activamente.

Um cigarro acesso produz dois tipos de fumaça: a que o fumador aspira e devolve depois de filtrada nos pulmões e a que sai directamente do cigarro que possui as mesmas substâncias tóxicas da que é aspirada pelo fumador.

Os fumadores prejudicam a saúde dos não fumadores. Uma pessoa que não fuma, em contacto com fumadores, no final de um dia de trabalho chega a fumar o equivalente a uma média de 1 a 4 cigarros.

Os fumadores incomodam os não fumadores. Fumar não é apenas um problema dos fumadores.

Cada vez mais autoridades governamentais estabelecem regulamentos que protegem o não fumador. Tem havido uma maior consciencialização dos indivíduos sobre o ar que se respira, não só em casa, como nos ambientes de trabalho e locais públicos.

Deve fazer-se mais, estimulando-se locais de trabalho, escolas, unidades hospitalares e outros sectores da sociedade a desenvolverem uma política de protecção ao não fumador em ambientes fechados.

 

Semelhante a este dia, no dia 31 de Maio realiza-se o Dia Mundial Sem Tabaco.

Por hoje o nosso grupo despede-se deste blog, esperamos que o que publicámos te seja útil. Que, caso sejas jovem e pertenças à nossa geração ou mesmo sendo mais velho, compreendas que o tabaco já não é uma forma de exibição num determinado grupo social, o tabaco já não é uma forma de te mostrares crescido e forte. O tabaco é uma causa de cancro! É necessário parar com o seu consumo, para um mundo melhor!

Se queres divertir-te um pouco, então testa os teus conhecimentos em palavras cruzadas sobre o tabaco. Clica aqui!

Fontes:

·         http://www.edu-port.ac.mz/index.php/producoes/calendario-de-eventos.html?task=view_detail&agid=10&year=2008&month=11&day=17

·         http://www.minerva.uevora.pt/publicar/wq_fumar/

Novembro 16, 2008. Etiquetas: , , , , , , , , , . Blog, Home.

Deixe um Comentário

Be the first to comment!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback URI

%d bloggers like this: